domingo, 22 de maio de 2016

cata-frases

“Processo de impeachment é político. E não vejo autoridade moral ou ética nos políticos que querem julgar a presidente. O impeachment está previsto na Carta. O que o torna golpe são os personagens que tocam o processo e seus interesses”. - Chico Pinheiro, jornalista (acreditem!) da Globo.

domingo, 1 de maio de 2016

Marco Antonio Villa, um historiador tendencioso, mente.

Qualquer pessoa pode entrar com pedido de impeachment. Eduardo Cunha arquivou diversos pedidos anteriormente. Quando foi levado ao Conselho de Ética, ele ameaçou o PT de aceitar um dos pedidos ainda não arquivados, caso não fosse blindado. Não foi protegido e aceitou, no mesmo dia, o pedido de impedimento da presidente

Que o PT é o partido que mais cometeu crimes, não basta falar, tem que demonstrar. Para isso existem estatísticas. Pelas estatísticas, o PT oscila entre o sétimo e o nono lugar em número de candidaturas indeferidas pela lei da ficha limpa e também em número de políticos afastados pela Justiça. Os três primeiros colocados são, variando a posição, PSDB, DEM e PMDB.

Pela Constituição, os três poderes são independentes e harmônicos. Isto significa que nenhum poder depende do outro para funcionar, mas que se ajustam. O Legislativo não tem poder para interferir na direção do Executivo. O impeachment deve ser feito com base em ato de improbidade administrativa. O Judiciário pode ser acionado em caso de a Constituição não estar sendo cumprida, ou seja, caso não haja fato tipificado como improbidade administrativa. A improbidade é um ato praticado com dolo, ou seja, visa benefício próprio em detrimento do Estado. Não é o caso presente no Brasil.