domingo, 23 de dezembro de 2012

miniconto

Reclamou do pum no elevador, do mau hálito, do chulé, do cheiro de suor. Desceu no andar seguinte, espirrando, quando entrou uma perfumada criatura.

miniconto

Entrei apressado, sem limpar os pés. Vi o chão limpo, o pano na porta. Limpei os pés e saí envergonhado...

sábado, 1 de dezembro de 2012

as palavras sofrem>>> VIADUTO

Todo mundo sabe o que é um viaduto, não é? Mas não deveria ser como é apresentado. A palavra viaduto é formada por 'via', caminho, estrada, mais 'duto', canal. Logo, viaduto é uma estrada dentro de um canal, de um túnel. Aquilo que utilizamos quando passamos pela serra para chegar ao litoral e que chamamos de túnel é o verdadeiro viaduto. Túnel e viaduto são sinônimas? Não. Túnel é o canal, viaduto é a estrada ou rodovia que passa por esse canal. Então, não é errado chamar de túnel, mas melhor seria chamar de viaduto. E o que dizer daquilo que chamamos de viaduto e que existe em abundância nas rodovias? São pontes, rotatórias, anéis viários etc. Ponte é um dispositivo que liga um lado ao outro sobre rios, vales ou mesmo rodovias. E porque são chamados, então, de viadutos? Talvez pelo fato de passar uma via por dentro dele, mas a passagem é tão curta e aberta que não pode ser considerada um duto. 

sábado, 10 de novembro de 2012

O assinante mais jovem se torna repórter de ‘O Progresso’


AGENTES DO PROGRESSO
Rubens Antonio da Silva
O PROGRESSO DE TATUÍ, 11 de Novembro de 2012


FRANCIS JONAS LIMBERGER


Rubinho é considerado o assinante mais jovem e é um dos repórteres vivos mais antigos da história de nove décadas de 'O Progresso'

Rubens Antonio da Silva, o Rubinho, é um dos repórteres vivos mais antigos da história de O Progresso. Ele escreveu para o jornal nas décadas de 1970 e 1980 e, nesta semana, é o personagem da série comemorativa “Agentes do Progresso”, promovida pelo bissemanário como parte das comemorações pelo aniversário de 90 anos.

Além de ser um dos repórteres mais antigos, Rubinho permanece com outra marca histórica junto à publicação: é possível que ele ainda seja a pessoa mais jovem a assinar o jornal. “Quando eu tinha dez anos, em vez de gastar a minha mesada com doces, resolvi poupar e fazer uma assinatura de O Progresso. Até então, eu lia o jornal na casa de um vizinho”, contou o ex-repórter.

Anos mais tarde, quando foi contratado pelo jornal, o então gerente José Nascimento reconheceu Rubinho. “Ele perguntou desde quando eu era assinante. Quando eu falei que já fazia muito tempo, ele logo disse: ‘Você é aquele menino que veio aqui, sozinho, e assinou o jornal’”, disse.

Antes de ser contratado para reportagem e redação por O Progresso, Rubinho trabalhou na revista “Aldeia Global”, que pertencia a Ivan Gonçalves, futuro proprietário do jornal. “Era uma revista de variedades sobre a cidade de Tatuí. Eu entrei para trabalhar no serviço de contato e propaganda”.

Naquela época, Rubinho já havia publicado alguns textos no jornal “Notícias Populares”, que tinha uma coluna dedicada a poesias dos leitores. “Como eu lia jornal desde cedo, já estava familiarizado com a produção textual e eu procurava aproveitar quando aparecia algum espaço”, comentou o ex-funcionário de O Progresso.

A experiência em redação, aprimorada com as oportunidades oferecidas na revista, fizeram com que surgisse o convite para o trabalho com o noticiário e a reportagem. Na época, o repórter José Teixeira de Almeida estava deixando o jornal para trabalhar em uma emissora de rádio. A contratação de Rubinho foi sugerida por Valter Silveira da Mota.

Rubinho trabalhou em O Progresso por cinco anos. Quando ingressou, o jornal mais antigo da cidade ainda pertencia a Vicente Ortiz de Camargo, que também era diretor do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”.

“Durante o dia, o Vicente trabalhava no Conservatório. Depois do expediente, ele vinha para o jornal e fazia a revisão das matérias, antes que o material fosse enviado à oficina para fazer a composição”, disse Rubinho.

De acordo com ele, uma das características do jornal no fim da década de 1970 era o espaço reduzido para reportagens. “Naquele tempo, o jornal tinha um espaço muito escasso para notícias. Isso porque a publicidade era bastante barata e o jornal era tomado de muitos anúncios”, comentou.

Com mais experiência na função, Rubinho se propôs um desafio. “Resolvi pegar uma notícia comum e acompanhar todo o processo até ela chegar ao leitor. Fiz a entrevista, escrevi a matéria, fui para a oficina montar a página no tipo móvel, ajudei a imprimir e distribui o jornal. Se me perguntar o que é mais difícil, direi que é a entrega. Achar todos aqueles endereços é muito complicado”.

Quando o jornal foi vendido para os atuais proprietários, Rubinho acompanhou a mudança e voltou a trabalhar com Ivan Gonçalves. O então repórter destaca as modificações que começaram a ser feitas.

“Quando o grupo do Ivan comprou o jornal, eles deram uma nova dinâmica para a publicação. Logo, deixaram de fazer a composição manual a passaram a terceirizar a impressão com uma empresa especializada. Além disso, o espaço de notícias cresceu e foi possível produzir matérias mais longas”, disse Rubinho.

Naquela época, ele dividia o trabalho de repórter de O Progresso e de funcionário do DER (Departamento de Estradas de Rodagem). A rotina no jornal se resumia em ir à redação no início da manhã, verificar a pauta, recolher informações, redigir e encaminhar o texto para os revisores.

“O problema é que, com os novos proprietários, o jornal cresceu tanto, e por consequência o espaço para as notícias, que chegou um ponto em que era impossível continuar trabalhando. Ficou apertado para eu conciliar os dois empregos e decidi deixar do jornal”, contou o ex-repórter de O Progresso.

Mesmo formalmente afastado da profissão de repórter, Rubinho continuou trabalhando com a produção textual. Em Boituva, cidade do seu emprego no DER, colaborou com os dois jornais existentes na época. Também criou a publicação “Pedagente”, oferecida às pessoas que passavam por um posto de pedágio.

“Jornalismo é uma profissão que você nunca consegue se livrar. Ela pega a gente mesmo. Então eu nunca deixei os jornais”, comentou. Hoje, Rubinho é oficial de Justiça da comarca de Tatuí e, paralelamente, mantém na internet uma página com notícias sobre a cidade. Segundo o ex-repórter, boa parte do conhecimento em produção textual veio por meio de O Progresso.

“Este jornal sempre vai ocupar um espaço importante na minha vida. Falar dele é falar da minha história. Só para ter uma ideia de como foi uma experiência inesquecível, eu digo que trabalhei cinco anos em O Progresso e 11 no DER. Tenho saudades do primeiro e não do segundo”, relatou Rubinho em visita a redação do bissemanário.

Ao comentar o aniversário de 90 anos do jornal, Rubinho destaca os momentos “inesquecíveis” que teve como repórter. “Representei O Progresso na posse do governador Reinaldo de Barros, no Palácio dos Bandeirantes, na posse do Cunha Bueno como secretário da Cultura no governo de Paulo Maluf. Entrevistei Franco Montoro, o ex-presidente Jânio Quadros e, aqui em Tatuí, acompanhei a inauguração do campo de provas da Ford. São experiências que não dá para esquecer”, comentou.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Celso e Ismael Neto doente


Estas fotografias do meu irmão Neto foram postadas pela minha cunhada Dita no Facebook. Foram as últimas do Neto, que sabemos. Ele estava em São Vicente com nosso irmão Celso, quando se recuperava de cirurgia no aparelho digestivo devido a um a câncer. Ele viria a falecer em dezembro, para nossa grande tristeza. 

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Cumprimentando o presidente do TJ / SP

FOTO: ANTÔNIO CARRETA / TJSP

Na inauguração oficial do Fórum de Tatuí, ao final da cerimônia, fui chamado a fazer uma foto do diretor do cartório criminal Wilson Donizeti com o presidente do TJSP, desembargador Ivan Sartori. Feito isto, falei ao presidente do quanto estamos esperançosos de termos no presidente um amigo.

A pedido do presidente

FOTO DE ANTÔNIO CARRETA/TJSP

O presidente Ivan Sartori ficou satisfeito com a recepção dos servidores e mandou o fotógrafo do Tribunal fazer minha fotografia. 

Presidente do TJSP em Tatuí

FOTO DE ANTÔNIO CARRETA/TJSP

Após sua assessoria fazer minha identificação, o presidente retornou e pediu para ser fotografado ao meu lado. 

Com o desembargador Ivan Sartori

FOTO: ANTÔNIO CARRETA / TJSP

A expectativa é de que teremos muitos motivos para sorrir daqui para frente. Após Sartori assumir a presidência do TJSP, os servidores começaram a receber direitos que lhes haviam sido negados anteriormente.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

“ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA” CHEGA À RAJ DE SOROCABA

16/10/2012

Presidente e integrantes de sua equipe foram ouvir juízes da região em busca de soluções para melhoria do desempenho do Judiciário

A sétima reunião do projeto Administração Participativa foi ontem (15) em Sorocaba. O roteiro é parecido, mas em cada Região Administrativa Judiciária há uma realidade – embora a matéria-prima seja a mesma: processos e recursos humanos/materiais voltados à distribuição da Justiça. Em cada visita, o presidente do Tribunal de Justiça e os juízes assessores que o acompanham voltam para São Paulo com um rol de procedimentos e/ou providências a serem tomadas. Algumas serão imediatas; outras, que dependem de ações conjuntas, necessitam de mais tempo. Todas, no entanto, são analisadas e as respostas chegam aos destinatários. Ontem foi a vez da 10ª RAJ, com sede em Sorocaba, que abrange quatro circunscrições judiciárias: Itu (20ª); Itapetininga (22ª); Itapeva (49ª) e a própria Sorocaba, (19ª).

Desde o início da gestão, o presidente Ivan Sartori tem realizado essas reuniões no interior do Estado com magistrados, servidores e representantes da municipalidade. É a chamada Administração Participativa. A primeira foi em Ribeirão Preto, sede da 6ª Região Administrativa Judiciária (RAJ); a segunda, em Santos (sede da 7ª RAJ); a terceira em Presidente Prudente (sede da 5ª RAJ), a quarta em Bauru, (3ª RAJ); a quinta em São José do Rio Preto (8ª RAJ), a sexta em Campinas (4ª RAJ) e agora em Sorocaba.

As reuniões – três no total – foram acompanhadas pelo juiz diretor da 10ª RAJ, José Elias Themer, pelos juízes assessores da Presidência Guilherme de Macedo Soares, Silvana Amneris Rôlo Pereira, João Baptista Galhardo Júnior e Marcelo Lopes Theodosio, pelo chefe de gabinete do TJSP, Tarcisio dos Santos e pelo secretário da Presidência do TJSP Kauy Carlos Lopérgolo de Aguiar.

José Elias Themer, que também é diretor do fórum e titular da 7ª Vara Cível, elogiou a criação do projeto “Administração Participativa”. Para ele, as RAJs são uma transformação total na estrutura administrativa do Poder Judiciário. “O presidente Ivan Sartori é seguramente o mais democrático dos presidentes que já estiveram à frente do Judiciário paulista e é de suma importância esse contato que mantém, não apenas com os magistrados, mas com todos os servidores do Tribunal de Justiça.”

No “Administração Partipativa” da RAJ de Sorocaba, o presidente falou dos objetivos ainda a serem alcançados, detalhou o que já foi colocado em prática nos quase dez meses em que está à frente do Judiciário e fez uma síntese do que é preciso para melhorar a prestação jurisdicional em benefício da população. Os assuntos variaram desde a necessidade de colocação de ar-condicionado já na região faz muito calor até locação de espaços para a melhoria da estrutura física em determinadas comarcas. Instalação de varas e reposição de servidores também foram solicitações que não ficaram fora de pauta.

Na reunião com o prefeito Vitor Lippi, a deputada estadual Maria Lúcia Amary, integrantes do Ministério Público, da Ordem dos Advogados do Brasil, da Defensoria Pública, das Polícias Civil e Militar vários outros assuntos foram discutidos; de vagas para idosos a questões atinentes aos Centros de Detenção Penitenciária em construção na região.

“Só um presidente fez muito pelos servidores, mas o senhor já fez muito mais.” – Com essas palavras uma servidora se dirigiu ao presidente Sartori na oportunidade que teve de os servidores fazerem as suas indagações. Ela não foi a única. O representante da Família Forense local também agradeceu a ida do presidente à RAJ de Sorocaba e o parabenizou pelo pioneirismo à frente das ações. Um oficial de Justiça, Rubens Antonio da Silva, falou já quando a equipe saía do prédio: “presidente o senhor não tem ideia da esperança que os servidores depositam no senhor”.

Sobre a 10ª RAJ de Sorocaba – Com a recente criação das RAJs, o Tribunal de Justiça tem nas dez sedes um polo administrativo instalado para trazer melhorias, como economia nas aquisições de suprimentos, concursos de admissão de servidores regionalizados e celeridade nas execuções fiscais, criminais e do colégio recursal, entre outras providências que visam facilitar a gestão do Judiciário. Nessa região vivem de 2.279.384 habitantes (censo de 2010). Nas comarcas que integram a RAJ trabalham 2.078 servidores e existem 1.141.617 processos em andamento.

Comunicação Social TJSP – RS (texto) / AC (fotos)
imprensatj@tjsp.jus.br

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Agradeço ao amigo Rosan pelo CD Só as Elegantes, que gravou com Ricardo, com que me presenteou. Presente autoral é especial.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Comentários sobre um vídeo do Youtube sobre questões bíblicas

Comentários sobre o vídeo http://www.youtube.com/watch?v=pTzQHh7t9W0

Lucas 1.15 se refere a João Batista, que seria nazireu. Jesus mostra a diferença entre Ele e João em Lucas 7.33-34. Veja: "Porque veio João o Batista, que não comia pão nem bebia vinho, e dizeis: Tem demônio; Veio o Filho do homem, que come e bebe, e dizeis: Eis aí um homem comilão e bebedor de vinho".

De fato, em Provérbios 23:21 está escrito: "Porque o beberrão e o comilão acabarão na pobreza; e a sonolência os faz vestir-se de trapos". Por isso, os fariseus acusaram o Senhor. Veja em Lucas 7.34: "Veio o Filho do homem, que come e bebe, e dizeis: Eis aí um homem comilão e bebedor de vinho, amigo dos publicanos e pecadores".

O publicano não serve de exemplo porque era um homem pecador buscando a Deus e não se julgava digno nem mesmo de adentrar ao templo. Certamente que, encontrando Deus, se prostraria com humildade e amor.

A Palavra fala que o Espírito Santo dirige mesmo. Veja em João 16:13: "quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir". Isto não contradiz o Salmo 1, onde o salmista diz que medita na lei de Deus de dia e de noite. Na Congregação Cristã no Brasil, a Bíblia é lida diariamente e tida como "a única e perfeita guia de nossa fé e conduta", conforme inscrito no Hinário.

Favor corrigir: em Atos 2,1-4 os discípulos não estavam orando.
Rubens Oficial

Denilson, a foto que serve de capa para o seu vídeo é da casa de oração do Bairro Valinho, em Tatuí (SP). É de minha autoria.

domingo, 12 de agosto de 2012

as palavras sofrem>>> CORRUPÇÃO

No Portal Terra, encontrei a definição etimológica da palavra corrupção e, a seguir, a corrupção da palavra corrupção. Vejamos:

"Corrupção vem do latim corruptus, que significa quebrado em pedaços. O verbo corromper significa “tornar pútrido”. Essa é a definição correta da palavra, no sentido de deterioração, decomposição, deturpação.

E depois segue: "A corrupção pode ser definida como utilização do poder ou autoridade para conseguir obter vantagens e fazer uso do dinheiro público para o seu próprio interesse, de um integrante da família ou amigo."

É lamentável que o termo, em vez de um sentido lato, tenha adquirido um sentido tão restrito. Ora, qualquer pessoa pode ser corrupta se obtiver vantagem ilícita mesmo que não seja do erário público. Por exemplo: quando um instituto de pesquisa  falsifica os dados da opinião pública em favor de alguém em troca de recompensa financeira, é um caso de corrupção. Um perito, mesmo particular, que fornece laudo falso por uma recompensa qualquer, comete corrupção, quebrou em pedaços o que deveria ser íntegro.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

GRAFITE EM TATUÍ - 23

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 22

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 21

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 20

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 19

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 18

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 17


FOTOS DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 16

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 15

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 14

FOTO DE RUBENS OFICIAL

GRAFITE EM TATUÍ - 13

FOTO DE RUBENS OFICIAL

quarta-feira, 18 de julho de 2012

sábado, 7 de julho de 2012

Casa de Tia Zulmira

FOTO DE RUBENS OFICIAL

Morei nesta casa em 1969 ou 1970. Minha mãe estava internada em um hospital de Sorocaba e fiquei aos cuidados de Tia Zulmira. Moravam ainda comigo o Tio Nestor, meus primos Maé, João e Luís Carlos. Foi aí que eu aprendi a comer pão com mel. Estudava na Escola do SESI e meu trabalhava na Fábrica Santa Adélia, na seção do Batedouro. Meus irmãos Celso e Ismael, maiores que eu, ficaram em nossa casa com nosso pai. 

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Estante Virtual - Clique e Leia

A Divina Comédia -Dante Alighieri
A Comédia dos Erros -William Shakespeare
Poemas de Fernando Pessoa -Fernando Pessoa
Dom Casmurro -Machado de Assis
Cancioneiro -Fernando Pessoa
Romeu e Julieta -William Shakespeare
A Cartomante -Machado de Assis
Mensagem -Fernando Pessoa
A Carteira -Machado de Assis
A Megera Domada -William Shakespeare
A Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca -William Shakespeare
Sonho de Uma Noite de Verão -William Shakespeare
O Eu profundo e os outros Eus. -Fernando Pessoa
Poesias Inéditas -Fernando Pessoa
Tudo Bem Quando Termina Bem -William Shakespeare
A Carta -Pero Vaz de Caminha
A Igreja do Diabo -Machado de Assis
Macbeth -William Shakespeare
Este mundo da injustiça globalizada -José Saramago
A Tempestade -William Shakespeare
O pastor amoroso -Fernando Pessoa
A Cidade e as Serras -José Maria Eça de Queirós
Livro do Desassossego -Fernando Pessoa
A Carta de Pero Vaz de Caminha -Pero Vaz de Caminha
O Guardador de Rebanhos -Fernando Pessoa
O Mercador de Veneza -William Shakespeare
A Esfinge sem Segredo -Oscar Wilde
Trabalhos de Amor Perdidos -William Shakespeare
Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis
A Mão e a Luva -Machado de Assis
Arte Poética -Aristóteles
Conto de Inverno -William Shakespeare
Otelo, O Mouro de Veneza -William Shakespeare
Antônio e Cleópatra -William Shakespeare
Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões
A Metamorfose -Franz Kafka
Rei Lear -William Shakespeare
A Causa Secreta -Machado de Assis
Poemas Traduzidos -Fernando Pessoa
Muito Barulho Por Nada -William Shakespeare
Júlio César -William Shakespeare
Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente
Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa
Catálogo de Autores Brasileiros com a Obra em Domínio Público
A Ela -Machado de Assis
O Banqueiro Anarquista -Fernando Pessoa
A Dama das Camélias - Alexandre Dumas Filho
Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa
Adão e Eva -Machado de Assis
A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo
A Chinela Turca -Machado de Assis
As Alegres Senhoras de Windsor -William Shakespeare
Poemas Selecionados -Florbela Espanca
As Vítimas-Algozes -Joaquim Manuel de Macedo
Iracema -José de Alencar
Ricardo III -William Shakespeare
O Alienista -Machado de Assis
Poemas Inconjuntos -Fernando Pessoa
A Volta ao Mundo em 80 Dias -Júlio Verne
Primeiro Fausto -Fernando Pessoa
Senhora -José de Alencar
A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães
A Mensageira das Violetas -Florbela Espanca
Sonetos -Luís Vaz de Camões
Eu e Outras Poesias -Augusto dos Anjos
Fausto -Johann Wolfgang von Goethe
Iracema -José de Alencar
Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa
Os Maias -José Maria Eça de Queirós
O Guarani -José de Alencar
A Mulher de Preto -Machado de Assis
A Desobediência Civil -Henry David Thoreau
A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio
A Pianista -Machado de Assis
Poemas em Inglês -Fernando Pessoa
A Herança -Machado de Assis
A chave -Machado de Assis
Eu -Augusto dos Anjos
As Primaveras -Casimiro de Abreu
A Desejada das Gentes -Machado de Assis
Quincas Borba -Machado de Assis
A Segunda Vida -Machado de Assis
Os Sertões -Euclides da Cunha
Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa
O Alienista -Machado de Assis
Don Quixote. Vol. 1 -Miguel de Cervantes Saavedra
Medida Por Medida -William Shakespeare
Os Dois Cavalheiros de Verona -William Shakespeare
A Alma do Lázaro -José de Alencar
A Vida Eterna -Machado de Assis
A Causa Secreta -Machado de Assis
14 de Julho na Roça -Raul Pompéia
O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós
Coriolano -William Shakespeare
Astúcias de Marido -Machado de Assis
Senhora -José de Alencar
Noite na Taverna -Manuel Antônio Álvares de Azevedo
A 'Não-me-toques' ! -Artur Azevedo
Os Maias -José Maria Eça de Queirós
Obras Seletas -Rui Barbosa
Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco
Aurora sem Dia -Machado de Assis
Édipo-Rei -Sófocles
O Abolicionismo -Joaquim Nabuco
Pai Contra Mãe -Machado de Assis
O Cortiço -Aluísio de Azevedo
Tito Andrônico -William Shakespeare
Adão e Eva -Machado de Assis
Os Sertões -Euclides da Cunha
Esaú e Jacó -Machado de Assis
Don Quixote -Miguel de Cervantes
Camões -Joaquim Nabuco
Antes que Cases -Machado de Assis
A melhor das noivas -Machado de Assis
Livro de Mágoas -Florbela Espanca
O Cortiço -Aluísio de Azevedo
A Relíquia -José Maria Eça de Queirós
Helena -Machado de Assis
Contos -José Maria Eça de Queirós
A Sereníssima República -Machado de Assis
Iliada -Homero
A Brasileira de Prazins -Camilo Castelo Branco
Sonetos e Outros Poemas -Manuel Maria de Barbosa du Bocage
Ficções do interlúdio: para além do outro oceano de Coelho Pacheco. -Fernando Pessoa
Anedota Pecuniária -Machado de Assis
A Carne -Júlio Ribeiro
O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós
Don Quijote -Miguel de Cervantes
A Volta ao Mundo em Oitenta Dias -Júlio Verne
A Semana -Machado de Assis
A viúva Sobral -Machado de Assis
A Princesa de Babilônia -Voltaire
O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves
Catálogo de Publicações da Biblioteca Nacional -Fundação Biblioteca Nacional
Papéis Avulsos -Machado de Assis
Eterna Mágoa -Augusto dos Anjos
Cartas D'Amor -José Maria Eça de Queirós
O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós
Anedota do Cabriolet -Machado de Assis
Canção do Exílio -Antônio Gonçalves Dias

quarta-feira, 13 de junho de 2012

domingo, 10 de junho de 2012

Este é o Negrito

O cãozinho estava muito magro e perambulando pela rua, sem dono. A Zélia o recolheu, cuidou dele. Levou ao veterinário. Quatro quebraduras na pata dianteira esquerda. Com certeza, vítima de atropelamento. As quebraduras já estão calcificadas. Veterinários recomendaram não fazer qualquer procedimento cirúrgico. Zélia deu a ele o nome de Negrito. Um filhote de seis meses, mais ou menos, muito dócil e obediente. Lembra muito um terrier brasileiro (fox paulistinha).  Descobrimos depois que ele estava contaminado por paravirose. Socorremos a tempo. Dr. Groppo aplicou uma injeções, receitou um soro, e o bichinho já está mais esperto.


terça-feira, 5 de junho de 2012

Fernão Capelo Gaivota

No último ano do ensino médio, meu amigo mais próximo, Tomaz Eiji Kushida, se mudou para Campinas, onde pretendia cursar Engenharia. E ele me deixou dois presentes: um em mãos, o livro Fernão Capelo Gaivota, e o outro secretamente, uma assinatura por um ano da revista Acendedor (hoje Fonte de Luz). No livro, Tomaz inscreveu esta mensagem: (vou pegar o livro para copiar)