quinta-feira, 7 de julho de 1988

NO ÔNIBUS

Trepidando desse jeito,
não há quem possa escrever.
Tenho poesia no peito,
pare que eu quero descer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário